A Mulher do Casaco Marrom

casaco_marronA mulher do casaco marrom, é a personagem principal de um dos meus contos favoritos da Clarice Lispector; O Búfalo.

A cor do casado é a cor que expressa o seu humor,  é uma pessoa triste que sofreu uma grande decepção amorosa. Tal decepção a aprisionava e impulsionava em seu coração um ódio que lutava bravamente com o amor que era habitante em sua alma. Esse conflito é notório. A palavra amor/amar aparece aproximadamente 16  (dezeseis) vezes  no texto, bem como a palavra ódio/odiar.

Essa mulher saía para passear em um Jardim Zoológico em um dia de primavera, estação que é fortemente destacada, talvez pela beleza verde e floral representando a vida, que contrastava que com seu estado de espírito que desejava morte. No passeio onde a mulher procurava veemente odiar o ser amado, ela encontra animais enjaulados na mesma situação que ela, enjaulada pelos seus sentimentos.

A mulher interage com alguns animais, buscando nos bichos o impulso primitivo que a conduz ao ódio, estes são: O leão/leoa, a girafa, o hipopótamo, os macacos, o elefante, o camelo, o quati e por último o búfalo.

Com exceção do búfalo, todos esses animais apresentam basicamente características semelhantes, que talvez retratasse sua personalidade engana pelo objeto de seu amor. A girafa é ingênua como uma virgem, quem sabe como ela quando se entregou ao seu amado. O hipopotámo é apático, como ela embebecida por uma paixão avassaladora que a paralizava. Os macacos são felizes e nus, destituídos de qualquer roupagem, sinceros e expôntaneos em seus sentimentos, talvez como ela ao entregar-se ao amor. O elefante, apesar de grande e pesado, é facilmente manipulado e bom, incapaz de fazer o mal, talvez como ela é incapaz de odiar o ser amado. O camelo é paciente, talvez como ela por ter suportado o engano e a dor.

A observação dos bichos é paralizada por um casal de namorados que retrata o amor recíproco, no qual ela não possuía, e uma viagem de montanha-russa onde ela alcança o ápice de sua expressão com um grito de lamento paradoxal com os gritos de alegria dos demais viajantes. Após uma explosão de sentimentos ela sente-se envergonhada como se seus sentimentos mais profundos fossem revelados. A comparação com uma bolsa feminina que cai no meio de todos, ilustra esse fato. A dor sentida neste momento é a mesma de um atropelamento.

O penúltimo bicho é comparado a uma criança também ingênua como ela, crédula em um falso amor.
Após momentos de vertigem a mulher encontra o búfalo. Diferente de todos os animais, ele não perfigurava alguém ingênuo ou manipulável, mas alguém forte, imponente, grande e superior, no qual ela procurava desesperadamente chamar atenção, talvez a mesma atenção que desejava do seu amado, em vão. Sua ameaçadora figura, imbuída de uma placidez animal representava naquele momento a figura do macho, onde ela lutava ferozmente para destruir o objeto de seu ódio.
Contudo a mulher não atinge seu intento e impossibilidade de odiar, sucumbe enfim ao sentimento que a consome.
Anúncios

3 comentários on “A Mulher do Casaco Marrom”

  1. Aaaah! Eu lembro de quando estudei esse conto no meu Ensino Médio! Ele é muito legalzinho! xD

    Se eu não me engano se chama “Amor” ou algo parecido, né?

    A Clarice tem uns textos muito bonitos!

  2. “Legalzinho” foi uma maneira carinhosa… rsrs
    Não era minha intenção depreciar!! =P


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s