O Ídolo da Cerimônia

Sem querer parecer uma pessoa estranha, sempre que vou à casamentos, algo realmente me incomoda, a cerimônia.  Já tem um tempinho que estou com vontade de escrever sobre cerimônias de casamento.
O que de fato me incomoda, é o peso que alguns casais dão aos detalhes cerimoniais (decoração, foto, filmagem, vestimentas, etc), ao ponto de desconsiderarem principios litúrgicos bíblicos e extremamentes importantes.
Por trás de todo esse foco nos detalhes da cerimônia, muitos alegam ser esse o “dia do seu sonho”, o “dia mais feliz de suas vidas”. Não estou aqui para banalizar os sonhos de ninguém. Creio que o matrimônio é uma bênção divina, e tem sua importância na vida do homem criado à imagem e semelhança de Deus. Porém acho interessante checar nossas motivações, checar o mais profundo do nosso coração e verificar se, por trás dessa preocupação exagerada com o  cerimonial, há algum ídolo, algo que abrigamos sem considerar alguns princípios.
O primeiro deles é que, infelizmente, nossa visão da cerimônia de casamento ainda é muito romanista. Na Igreja Católica Romana, o casamento é um sacramento. Na Igreja Protestante, especialmente na Igreja Presbiteriana do Brasil, o casamento não é sacramento, é graça comum. Nesse sentido, não há “casamento religioso”, a cerimônia que acontece na Igreja é chamada Bênção Matrimonial. É um culto, agradecendo a Deus pelo matrimônio que já foi celebrado pelo Estado. Isso acontece mesmo quando a cerimônia é religiosa com efeito civil. Segundo o Manual Litúrgico da IPB, “esta solenidade [Bênção Matrimonial] nunca se realizará antes de ser celebrado o casamento civil” e se for religioso com efeito civil, os documentos devem ser assinados pelos noivos e testemunhas, “esse ato precederá sempre a cerimônia religiosa“.
Seguindo essa linha, se realizamos um culto em agradecimento a Deus pelo matrimônio, devemos ter cuidado para que as nossas cerimônias não sejam equivocadas.
Observemos o que diz o Manual Presbiteriano, que está totalmente de acordo com os Símbolos de Fé (Confissão e catecismos de Westminster), sobre o culto público:
“O culto público é um ato religioso, através do qual o povo de Deus adora ao Senhor, entrando em comunhão com ele, fazendo-lhe confissão de pecados e buscando, pela mediação de Jesus Cristo, o perdão, a santificação da vida e o crescimento espiritual. É uma ocasião oportuna para a proclamação da mensagem redentora do Evangelho de Cristo e para doutrinação e congraçamento dos crentes. O culto público consta ordinariamente de leitura da Palavra de Deus, pregação, cânticos sagrados, orações e ofertas. (Art. 7 e 8 dos Princípios de Liturgia da IPB)
Ora, se é culto, a Palavra deve ocupar lugar central. As músicas tocadas devem ser cânticos sagrados, e digo isso independente da cerimônia ocorrer no templo ou em chácaras etc. Isso significa que a noiva não pode entrar ao som de Roberto Carlos ou  Kenny G, pois a finalidade da música no culto é apontar para a Palavra pregada.
Outro detalhe importante é que o culto está sendo dirigido a Deus, o brilho é de Cristo, e não da noiva que entra radiante com seu vestido branco, o perfurme dele deve está mais evidente do que o das flores da decoração. Tudo que ocupa o lugar dele é um ídolo.
É preciso tomar cuidado para que a preocupação com os detalhes da cerimônia apoteótica, não nos faça esquecer o significado do casamento: a representação do mistério entre Cristo e a Igreja.
Eu poderia me delongar falando ainda das implicações da administração financeira do casal nisso tudo. Conheço casais que iniciam sua vida a dois com dívidas gigantescas provocadas pela cerimônia do casamento, essa é uma questão que também deve ser considerada. Porém, independente de ter condições financeiras ou não, a Bênção Matrimonial deve prezar pela simplicidade, para que Cristo e o Evangelho sejam proclamados por meio da vida do casal que se apresenta diante de Deus.
Gosto muito das palavras de Stephen Kanitz, em seu artigo: A Beleza dos Casamentos, e encerro com elas. Ao falar sobre o que as pessoas comentavam de sua cerimônia, disse: “Foi singela, bonita e espiritual.” Acho que é isso que eu quero que as pessoas digam da minha cerimônia de casamento.
Anúncios

12 comentários on “O Ídolo da Cerimônia”

  1. Cauê diz:

    Ivonete,

    onde posso encontrar mais informações acerca da liturgia correta para o casamento?
    Tenho pensado sobre isso e esse teu post veio na hora mais que correta e oportuna, sendo que tu trataste de vários aspectos que vinha considerando.
    Queria saber sobre mais duas coisas específicas, se for possível tu me ajudar:
    – Marcha Nupcial.
    – Os noivos ficarem na frente durante o culto.
    Inclusive nossa cerimônia ocorrerá na Igreja Presbiteriana do Renascença.

    Desde já agradeço!

    =D

  2. André Geske diz:

    Olá Ivonete

    Parabéns pelo post. Excelente argumentação dentro da nossa perspectiva reformada. Casamento para todos os protestantes deveria ser dessa maneira. Há uma banalização do casamento quando se inverte a ordem entre Estado e Igreja. Parece não haver uma correta compreensão dos papéis que cada um exerce dentro da sociedade. As pessoas colocam como essencial o casamento feito na Igreja e isso demonstra o catolicismo ainda arraizado na vida de um protestante. O nosso ensino é claro quanto ao papel do estado em efetivar a união marital de um casal (se não fosse assim, os não cristãos não poderiam se casar) e quando isso não é valorizado acabamos por absolutizar este aspecto religioso invertendo a ordem que Deus estabeleceu. Realmente se tornar um idolo. Vale lembrar a prática de João Calvino em Genebra que ao final de cada culto, ele perguntava se alguém havia se casado durante aquela semana e que ali mesmo iria orar para abençoar o casal.
    Díficil é, para muitas pessoas, compreender esta verdade. Lembro do meu casamento o quanto foi difícil convencer todo mundo em fazer um culto apenas e que o momento mais importante de todos foi o casamento no civil.
    Novamente, deixa-me parabenizá-la pelo excelente post. Vou indicar este seu texto para muitos amigos e amigas meus para poderem ver qual é a visão reformada do casamento.

    Que o Senhor te bendiga.

    Em Cristo,

    André Geske

    • André!
      Que legal, eu nao sabia dessa da igreja de Calvino. Muito jóia!
      Nao sou contra que se façam cerimônias no momento da bênção matrimonial. Mas o que deve ficar claro na nossa mente é exatamente isso que você colocou, e sempre avaliarmos o nosso coração, nesse sentido. Se as motivações estiverem erradas, devemos tirar esse ídolo do nosso coração.

  3. Cauê;

    Pelo que sei há pouca coisa escrita sobre isso, principalmente sobre as coisas específicas que você perguntou. Acho que no manual de liturgia da IPB que tá indicado no artigo, você encontra coisas interessantes.
    Cada vez mais tenho em minha mente, que a bênção nupcial deve ser simples, veja o comentário do André com relação à Igreja de Genebra.
    Porém, não sou contra a cerimônia em si, desde que sejam observados os princípios do culto e que a realização dela não seja um ídolo no seu coração. Por exemplo, acho que devemos nos perguntar Qual a reação se não tivessemos condições, ou por algum motivo não pudessemos realizar a cerimônia? Isso traria infelicidade? Acho que é nessas coisas que a gente precisa pensar ao conduzir até mesmo os detalhes mais específicos, já que não acharemos orientações tão específicas assim pra tudo.
    A marcha nupcial, se não me engano, é de uma peça de Shakespeare que foi sendo introduzida nas cerimônias de casamento e virou um costume. Sonde o seu coração e o de sua noiva, por que irão colocar a marcha nupcial para tocar? Por que todo mundo coloca? Por que isso de alguma forma marcou a vida de vocês? Em que isso glorificaria a Deus?
    Quando aos noivos ficarem na frente, penso eu, que estão ali diante de Deus e da Igreja, agradecendo pelo casamento e suplicando a bênção.

    Desejo que Deus abençoe muito sua união e da Bia.
    Abraço.

  4. Nina diz:

    Ivonete, li seu porst no dia em que vc escreveu, até dei um RT no twitter! Eu concordo muito com voce! E falo mais, é muito facil idolatrar uma cerimonia de casamento viu! Hj msmo eu estava conversando com amigos e falando como as noivas tem a tendencia de se tornarem egoistinhas. Não deveria, mas é facil por causa da nossa cultura, esquecer que o casamento é um culto. Adorei seu texto, e foi importante pra mim também! Espero que no meu casamento as pessoas também possam comentar que a cerimonia “Foi singela, bonita e espiritual.” Lindo isso!
    bjão

  5. Michele diz:

    Concordo que algumas cerimônias são muito exageradas. Que muitas músicas são inadequadas (incluindo as musicas gospel). E que a cerimônia de casamento não deve ser vital para a união do casal.

    Mas não concordo que o casamento deva ser feito como na época de Calvino (sem vestido de noiva, sem alianças, sem decoração). Ou que durante a cerimônia deva ter ofertório.

    Já fui em alguns casamentos que durante a cerimônia houve ofertório e isso me incomodou muito porque fiquei pensando se todos os convidados que estavam ofertando sabiam que os rendimentos eram para a igreja.

    Acho que a cerimônia com todos os seus detalhes louva a Deus. Principalmente se a família dos noivos for evangélica, a cada momentos todos estarão agradecendo pela benção da união do casal.

    Dentro do meu ralo conhecimento litúrgico, penso que para seguir os mesmos princípios litúrgicos do culto dominical os noivos deveriam se vestir com as roupas domingueiras de costume, sentar-se nos mesmo banco de toda semana e somente no fim do culto o pastor comunicaria que eles se casaram e oraria por eles.

    Entendo a cerimônia de casamento como um mandato cultura assim como usar aliança no dedo anelar esquerdo. A bíblia não manda vc usar uma aliança quando casar, mas a maioria dos casados usa. A Bíblia não manda a noiva se vestir de branco, mas a nossa cultura entendo como correto o uso do branco.

    Vivemos em uma sociedade que vê o casamento como algo descartável e creio que ao fazer uma cerimônia que destaca o noivo e a noiva estamos dando ênfase a um mandato de Deus:
    “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. Gênesis 2:24”

    é só um desabafo!!!
    🙂

    • Oi Mimi!
      Também acho que não tem problema fazer a cerimônia. Um culto especial agradecendo a Deus pela união. Mas isso deve ter o objetivo que você falou a glorificação a Deus e a proclamação do evangelho. 🙂

  6. UPA IPCG diz:

    Muito legal a cara nova do seu blog, Nete! Tá lindo!!!
    E concordo com o que vocês escreveu neste post 😉

    Beijos,
    NANDA.

  7. Cintia Matos diz:

    Oi Ivonete, por um acaso achei seu blog e li o texto. Primeiramente parabéns pelo blog, é muito interessante. Sempre que der passarei por aqui para ler.
    Honestamente, cerimônia de casamento pra mim são onde os noivos mostram o quanto são gratos a Deus por sua união, e pelas bençãos recebidas. Em meu casamento convidei pessoas não crentes, e algumas delas depois vieram me falar que gostaram muito da palavra do pastor, e que queriam muito conhecer mais este Deus que visivelmente tinha unido meu marido e eu. E hoje elas vão a igreja e estão aprendendo mais do Senhor e de sua palavra.
    Entrei com a marcha nupcial, e saímos com uma musica secular orquestrada. Concordo inteiramente com as palavras de Michele: ” Entendo a cerimônia de casamento como um mandato cultura assim como usar aliança no dedo anelar esquerdo. A bíblia não manda vc usar uma aliança quando casar, mas a maioria dos casados usa. A Bíblia não manda a noiva se vestir de branco, mas a nossa cultura entendo como correto o uso do branco.”
    Um grande abraço

    • Oi Cíntia! Muito obrigada pela visita!
      Me sentirei muito honrada se você vier outras vezes aqui!
      Muito legal o teu posicionamento, eu também não condeno a cerimônia, eu condeno, a motivação do coração, se estiver errada. Logicamente essa motivação, na maioria das vezes, manifesta-se na forma como a cerimônia é organizada. Se o propósito for glorificar a Deus, e proclamar o evangelho, como você colocou que aconteceu no casamento, é uma bênção. O problema é que a gente analisa o nosso coração e sabe que não é assim, algo está errado. Quanto as músicas, foi uma opção que você fez, eu respeito apesar de não concordar, pois para mim o casamento é um culto e no culto, “a música deve ter peso e majestade”, e apontar para a Palavra pregada, como coloquei no post.
      Um abraço.

  8. Nossa como é bom ver as coisas de um ponte de vista diferente e principalmente Bíblico. O que tem se perdido nos dias de hoje.
    Muito bom mesmo, vou até guarda essa artigo seu que quando eu encontrar a minha esposa, vou trabalhar isso com ela.
    Abraço!
    Que Deus continue te abençoando ricamente conforme a Sua vontade.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s